Projecto Francesinha Um Projecto de bem comer a norte

12Dec/110

Caffe Luso – Moderno sem História

Noite agradável na nossa bela cidade. O Projecto Francesinha sai à rua para mais uma descoberta. Desta feita a viagem leva-nos até ao coração da cidade, a uma das praças mais emblemáticas para todos os portuenses. Falo-vos da Praça Carlos Alberto. E obviamente a visita foi ao histórico Café Luso. Um espaço remodelado, mas com bastante tradição entre as várias classes sociais portuenses. Revela-se um local de passagem obrigatória do dia e da noite portuenses, bem como dos demais turistas que todos os dias visitam a nossa querida cidade.

Estamos com menos um elemento. Estamos com a mesma determinação e vontade de provar e avaliar as melhores francesinhas do país! Será desta? Sempre que entramos num local a pergunta surge na mente de cada um. A descoberta é algo que nos move. Os vossos comentário e sugestões dão aquele 'gostinho' especial e ajudam-nos a manter a chama bem acesa.
Chegados ao local, entramos e procuramos uma mesa, virada para o ecrã. Jogam os verdes e os azuis. Somos prontamente abordados. O empregado de menu em punho faz-nos sentir em casa. Atendimento eficaz e inteligente. A condizer com a decoração e luminosidade da casa. Espaço amplo, moderno e bem iluminado. Para alguns uma casa de passagem diária quase obrigatória. As lides empresariais assim o obrigam.

Olhar de lince e escolha fácil. Francesinha com batata frita. Reparamos que existe uma 'modalidade' em que as carnes são aconchegadas em pão bijou. Optamos pelo 'normal' para manter a coerência.

Dois dedos de conversa. A sala bem composta por turistas e locais vai animando a nossa espera. Novas oportunidades de negócio são discutidas. Novas aventuras profissionais são ponderadas. 'Sempre na brecha sempre à procura.' A vida flui ao seu ritmo de cruzeiro. Cada um procura sempre melhor. Todos procuramos a melhor Francesinha do País. O golo dos verdes não entra. Mas entram em jogo umas apetitosas francesinhas. Bom aspecto. Sem ovo. Um prato bem composto. A acompanhar umas batatas fritas 'quase' palito. Finas e congeladas é o que se pode dizer.

O molho algo aguado. Parece ser de 'encomenda'. Provamos. Não compromete mas também não gera 'aquela' explosão de sabores na nossa boca. As batatas finas e sem sabor não ajudam. Partimos para o centro das atenções. Um queijo normal envolve um pão normal. Ligeiramente tostado como manda a lei. Os ingredientes estão lá todos. Mas falta algo. Falta ali algo que os una. Que lhes dê aquele toque especial. Temos o bife muito sólido. Um bife bom, alto e de qualidade. Uma linguiça. Uma salsicha fresa. Umas fatias de fiambre. Temos tudo e não temos nada. Se é que me entendem...
Estamos perante uma francesinha que podia e devia ser algo mais. Mas talvez a rotatividade dos comensais seja tanta que a rotatividade na cozinha também. A forma como fazemos as coisas. A paixão que nelas colocamos conta muito.

No fundo um local de eleição na baixa portuense merecia algo mais. Pela história, pela tradição, pelo ar moderno que agora invade cada canto deste local. Aliado ao requinte do espaço pedia-se algo mais na Francesinha. Que no fundo é a menina da cidade e de muitas casas no centro do Porto. O preço é um factor que nos dias que correm pesa na decisão e na carteira dos amantes de Francesinha.

Já lá vão 43! Um trajecto longo e saboroso. Com altos e baixos. Surpresas e desilusões. Temos pela frente muitos e muitos mais locais a visitar. Continuem a acompanhar-nos nestas aventuras gastronómicas.
Até breve !

Parâmetros dalves
rpinto
hvara
TOTAL
Local 7 7 7 7.00
Molho 6 4 5 5.00
Batatas 5 5 4 4.67
Inovação 5 5 5 5.00
Ingredientes 6 5 6 5.67
Preço 5 4 5 4.67
PONTUAÇÃO FINAL 5.67 5.00 5.33 5.33
CUSTO TOTAL 10 €
Filed under: Uncategorized No Comments