Projecto Francesinha Um Projecto de bem comer a norte

19Jan/117

Regaleira: A Original

Vivam, convivas. Sejam bem vindos a 2011, ano das viagens. Após um pequeno interregno por motivos pessoais, o ProjectoFrancesinha está de volta para entrar no novo ano com toda a força. Decidimos pois viajar. Viajar não no espaço mas no tempo...até à década de 50 mais concretamente.Daniel David da Silva, antigo emigrante Português em França, era então gerente do restaurante A Regaleira e ficou famoso por produzir umas sandwiches para comer ao fim da tarde ou de madrugada, depois do cinema que eram tão picantes, tão picantes, que só se conseguiam comer acompanhadas de cerveja, muita cerveja. Baseados numa mistura entre croque-monsieur, o croque-madame e o Welsh-Rarebit, populares noutras paragens, foi aqui que a maior parte dos entendidos afirmam ter-se iniciado a tradição da Francesinha em Portugal e na invicta cidade do Porto.

Volvidos 60 anos, A Regaleira continua na mesma: igual a si própria, requintada e antiquíssima, uma relíquia que parou no tempo. À entrada, os empregados recebem-nos como se de Banqueiros se tratassem, recheados de mordomias e atenções importantes que o Projecto gosta, valoriza e naturalmente não dispensa. Após nos oferecerem rapidamente algo que beber, são colocadas várias entradas na mesa que só a chegada tardia da equipa permitiu que durassem muito tempo. Os camarões, são, como de costume, uma iguaria imperdível. É então que vem o momento da noite. A chegada sublime, quase arrogante, como se dissesse às restantes para se calarem que A Original está a passar...falamos claro da nossa Fracesinha com Bife, Batata Frita e Ovo.

Batatas Fritas à RodelaO tamanho pode afastar alguns entusiastas que preferem um grande desafio porque, na verdade, estas são mais pequenas que a média. O Projecto não se deixou, porém, intimidar e foi em frente. Bem Feito! O ovo, o pão e o queijo cumprem mas não são transcendentes. Estão ali, fazem o seu papel. As batatas, cortadas na hora e às rodelas mostram que afinal que o reino nem sempre foi dos palitos congelados ... e para nós, continua a não ser. O sabor é autêntico, é diferente...parece que alimentam ...em vez de apenas encherem.

Molheira da RegaleiraO recheio é bom se bem que o bife desilude...um suficiente não esconde que a qualidade poderia ser melhor. E sobretudo um pouco maior...ainda que entenda o tamanho como uma forma de se manter original...a evolução de lanche para refeição tem destas coisas. Chegados ao final ficamos satisfeitos mas não cheios ou enfartados. O molho, feito no ponto, é uma das melhores surpresas duma francesinha que hoje em dia acaba por ser igual a várias que são feitas um pouco por toda a cidade.

Pedidas as sobremesas, servidas com o requinte e o brio que caracteriza o espaço, chega a pior parte: a conta. Apesar da tradição do espaço, jantar ali não vale o total de 18 euros por pessoa que a conta final traduzia. Especialmente a Francesinha, que com o ovo e a batata pagos à parte dispara para uns impressionantes 11,63 euros. Tudo bem que para turista ver, seja um preço competitivo...mas para os portuenses, é um preço demasiado elevado e que claramente penaliza uma francesinha que podia aspirar a outros voos no nosso ranking. Assim fica mais uma visita, com o desejo de um excelente ano de 2011 para todos e que continuem a apoiar ou a criticar o nosso projectoFrancesinha que também é um pouco vosso. O que importa é que participem. Até já.

Parâmetros lmatias
rpinto
hvara
dalves TOTAL
Local 7 8 8 8 7.75
Molho 7 8 8 7 7.50
Batatas 6 7 6 6 6.25
Inovação 7 6 6 6 6.25
Ingredientes 7 5 6 7 6.25
Preço 4 5 5 5 4.75
PONTUAÇÃO FINAL 6.33 6.50 6.50 6.50 6.46
CUSTO TOTAL 11.6 €
Filed under: Francesinhas 7 Comments