Projecto Francesinha Um Projecto de bem comer a norte

24Sep/107

Decomur – A Francesinha Low-Cost

Mais uma semana e não poderíamos falhar. Estando com um elemento a menos optamos por um local seguro e que nos proporciona-se uma refeição tranquila. Decidimos optar pelo segundo lugar da votação dos leitores, e dirigimo-nos ao Café Decomur. Local conhecido e reconhecido pelas suas Francesinhas proeminentes.

Como sempre 20h no local marcado, todos surgimos a horas e com vontade de apreciar mais um repasto, e temos em mente que não será uma vulgar refeição. Solicitamos ao empregado que nos traga o menu e facilmente optamos pela tradicional Francesinha com ovo e batata frita. Pedimos as habituais entradas salgadas variadas, de dizer que vieram para a mesa numa quantidade considerável (rissóis, chamuças, croquetes e bolinhos). Devoramos as entradas e passados poucos minutos surge a Francesinha. Bom visual. Boa altura. Bem servida. A acompanhar dois pratos bem compostos de batata frita.

Avançamos e não ficamos desiludidos. Pão de forma de torrada ligeiramente torrado, coberto com a medida certa de queijo derretido no ponto ideal. Ao atingir o interior reparamos que o bom visual 'faz pendant' com o seu interior. Muito bem recheada, com tudo a que uma Francesinha tem direito, do bom e do mais saboroso. Um bom bife, boa linguiça e boa salsicha fresca. O molho era consistente e saboroso.

Consideramos uma Francesinha muito madura, contudo ainda tem de crescer ao nível da qualidade do acompanhamento. As batatas estavam mal fritas e por vezes cruas. Os dois pratos que se deslocaram até à mesa ficaram praticamente intactos...

Parâmetros hvara
rpinto
dalves TOTAL
Local 7 7 7 7.00
Molho 8 6 8 7.33
Batatas 3 3 4 3.33
Inovação 6 5 5 5.33
Ingredientes 8 7 8 7.67
Preço 8 8 8 8.00
PONTUAÇÃO FINAL 6.67 6.00 6.67 6.44
CUSTO
6.8 €
Filed under: Francesinhas 7 Comments
15Sep/109

Diu: Um nome não é tudo.

20 horas. Um princípio de Outono começa a esgueirar-se pelas entranhas da cidade de invicta. Paisagem ideal para mais uma francesinha do Projecto Francesinha. Desta feita, fomos à famosa Cervejaria Diu, ali bem perto da Faculdade de Farmácia, na Rua da Boavista. Como estávamos com um elemento a menos, decidimos jogar pelo seguro, ir para um sítio de renome...para não correr muitos riscos. :) Mal sabíamos o que nos esperava...Infelizmente, ficamos deveras surpreendidos. Mas já lá vamos...

Diu com HistóriaRapidamente tivemos uns croquetes na mesa bastante agradáveis...sol de pouca dura. As Francesinhas Especiais não tardaram a chegar e logo pelo seu aspecto pudemos compreender que o Diu não era, propriamente, o Galiza...o pão, embora não de forma, era fraco. Inconsistente, mal saborento. Molho não escorria, pesava. Não nadava, pousava. Faltava-lhe classe, elegância e quantidade. Depois de duas garfadas, a francesinha já estava seca...o que só acentuava a sua baixa qualidade.

Cervejaria Diu

Francesinha no DiuAs batatas eram caseiras...mas foram fritas num óleo demasiado usado para os padrões que estamos habituados. Vinham numa quantidade muito boa...mas murchas, assim como que cansadas ou até..."em 2ª mão". O bife não era alto, a salsicha fresca era...pouco fresca. O atendimento foi de qualidade mas ficou muito aquém dumas expectativas que colocavam o Diu como o sítio de referência...afinal, é só mais um de muitos cafés a servir Francesinhas que existem no Porto. Em contraponto à semana transacta, provamos que Um nome...não é tudo.

Parâmetros lmatias
rpinto
dalves TOTAL
Local 7 7 7 7.00
Molho 4 5 5 4.66
Batatas 6 6 6 6.00
Inovação 5 4 5 4.66
Ingredientes 5 4 5 5.66
Preço 5 5 5 5.00
PONTUAÇÃO FINAL 5.33 5.17 5.50 5.33
CUSTO TOTAL 7.0 €
Filed under: Francesinhas 9 Comments
9Sep/1037

Cervejaria Galiza: A Qualidade Compensa

Classe. É a palavra que melhor define este espaço. Faltavam alguns minutos para as 20 horas quando passámos. Ali, bem no centro do Porto, coração da cidade, jaz uma das mais famosas cervejarias do Porto: A Cervejaria Galiza. Sabíamos que não se iria tratar de uma visita qualquer: o nome da casa impunha respeito. Pedimos algumas cervejas e uns salgados. Classe. Não muito gorduroso, não muito seco...o croquete e a chamuça fizeram jus à sua casa.

O atendimento foi  personalizado, sorridente, atento, rápido...eficaz. Classe. Não demorámos a escolher o nosso prato: Francesinha com Bife, segundo a ementa. Até porque a Sevilhana acabou por não nos convencer. Aí, deparámo-nos como uma Francesinha de sangue azul: aspecto altivo, quase arrogante de tão límpida que parecia. À primeira garfada, rendemo-nos à evidência: estávamos perante uma Francesinha de top. Grande molho...clássico mas com um sabor que perdura.

Batatas no ponto e ingredientes de excelência. Devemos destacar o bife como principal ingrediente: alto, mal passado, do vazio. A cerveja, Super Bock, não parou de abastecer a mesa pois os finos não pareciam ter a capacidade de esmorecer. E assim, ao terminar, todos sentimos o óbvio: A Qualidade Compensa! E apesar da conta assustar mais que em outros estabelecimentos, uma boa francesinha vale a pena o esforço da carteira. Tanto que até decidimos comer uma sobremesa... e não é que também é fantástica? Daí que estejamos nas condições de dar as boas-vindas à Cervejaria Galiza: entrou directo no nosso Top 3.

Parâmetros lmatias
rpinto
hvara
dalves TOTAL
Local 8 7 8 8 7.75
Molho 9 8 9 8 8.50
Batatas 7 6 6 7 6.50
Inovação 7 7 7 6 6.75
Ingredientes 8 8 8 8 8.00
Preço 8 7 8 7 7.50
PONTUAÇÃO FINAL 7.83 7.17 7.67 7.33 7.50
CUSTO TOTAL 9.6 €
Filed under: Francesinhas 37 Comments
1Sep/103

Café Madureira – O Clássico

Mais uma semana, mais um 'milestone' cumprido neste longo e saboroso projecto. Depois de um fim de semana rústico e multi-cultural estamos de volta para abraçar o Projecto Francesinha. Após uma rápida troca de e-mails entre lá se decidiu onde nos iríamos deslocar esta semana. Ficou decidido que a deslocação era ao 'Café Madureira' ali bem perto do antigo Centro Comercial Stop. Para mim esta zona do Porto está um pouco esquecida no mapa mental que tenho da cidade, tanto é que acabei por estacionar um pouco afastado do nosso destino, apesar de não faltar estacionamento bem perto do local.

Café Madureira à 30 anosChegados ao local deparamos que o interior do espaço está repleto de gente e com algumas mesas na esplanada. O atraso de três elementos fez com que o elemento mais improvável chegasse a horas. Sentamo-nos  rapidamente e depois de uma vista de olhos pelo menu não hesitamos e escolhemos a Francesinha Especial com batata e ovo, com tudo aquilo que temos direito. Poucos minutos de espera e chega á mesa a bela da Francesinha e uma composta travessa de batata frita (da verdadeira). Consideramos que é um ponto importante na refeição a batata não ser congelada.

O "Filme" da Nossa Francesinha

Passamos ao ataque, primeira garfada, somos logo surpreendidos com a consistência do pão e o sabor agradável do queijo, não muito derretido mais também não muito solido, estava no ponto.  Avançamos para o interior da Francesinha e verificamos que a variedade de carnes não é bem do nossa agrado, falta aquela linguiça e um bife um pouco mais espesso. O molho tem a densidade ideal mas o sabor não surpreende, entra na gama do 'normal'. A máquina multibanco deslocou-se para a mesa sem nenhuma dificuldade e o atendimento esteve sempre a bom nível, providenciando tudo aquilo que necessitávamos para o nosso repasto.

Consideramos uma Francesinha madura, contudo ainda tem de crescer bastante ao nível da qualidade e variedade das carnes que a compõem.

Desde já agradecemos os 'Like' ou 'Gosto' no Facebook e as demais sugestões. Esperamos que continuem a seguir e comentar o nosso projecto.

Parâmetros lmatias
rpinto
hvara
dalves TOTAL
Local 6
6 5
5 5.5
Molho 7 6 6
7 6.5
Batatas 8 6 7
8 7.25
Inovação 5 4 5 5 5.25
Ingredientes 5 6 5 5 5.25
Preço 7 6 6 5 6
PONTUAÇÃO FINAL 6.33 5.67 5.67 5.83 5.88
CUSTO TOTAL 7.3 €
Filed under: Francesinhas 3 Comments