Projecto Francesinha Um Projecto de bem comer a norte

24Jan/131

Lado B – Porque ha sempre outro ponto de vista

LadoB-Francesinha

Há muitos anos atrás, o tal Sr. Daniel Silva trouxe as mais que tudo para o Porto. Claro que estas coisas das lendas têm sempre outro ponto de vista...mas a verdade é que foi ali no centro do Porto - onde tudo é mais autêntico - que esta história começou. E parece que a francesinha tem outro sabor quando temos que percorrer a Rua Sá da Bandeira ou a Passos Manuel para comer uma. É assim uma coisa que não sei bem explicar...mas que é muito nossa, muito nortenha! O Café Santiago não demorou muito a perceber isso...mas mais recentemente, o Santiago F abriu mesmo ao lado propositadamente para aqueles que, parando naquelas bandas, não conseguiam uma mesa a tempo no famoso espaço nortenho.

Decididos a aproveitar todo o potencial daquela zona, o Lado B mudou também recentemente as instalações para esta mesma rua. De apresentação agradável à vista, ameaçando o look tradicional, e de staff jovem, esta versão alternativa parece atrair muitos dos que por aqui passam. Ainda que a nossa questão seja a mesma: Será que é aqui que jaz a melhor francesinha do país? A escolha foi discutida com o nosso convidado que já conhecia o espaço, que sugeriu ainda o estacionamento no parque do Via Catarina...gratuito a partir das 20h. É sempre um prazer contar com a contribuição do nosso amigo e convidado Rui para estas coisas. Obrigado!

Ainda que no dia da nossa visita estivessem praticamente vazios, as entradas estavam quentes e do nosso inteiro agrado....mantiveram-nos entretidos enquanto a actuação da noite não começava. E foi com grande pompa e serviço cosmopolita que as - já velhinhas - francesinhas surgiram na nossa presença. Os ingredientes eram sublimes! Do melhor que já provámos...ainda que o molho não faça jus a este verdadeiro investimento: um espaço com aquela apresentação e localização merecia um molho melhor. O preço na casa dos 9 euros não engana...as batatas não a safaram...e o Lado B é mesmo a segunda hipótese caso queiram comer uma francesinha na Rua Passos Manuel. Ainda que seja preciso dizer: é pena! Um abraço a todos os que nos seguem e o forte desejo de um bom 2013.

 

Parâmetros lmatias rpinto dalves convidado TOTAL
Local 8 8 7 7 7.6
Molho 5 5 5 6 5.1
Batatas 7 6 6 6 6.3
Inovação 6 6 6 6 6.0
Ingredientes 8 7 8 8 7.7
Preço 6 6 6 6 6.0
PONTUAÇÃO FINAL 6.67 6.33 6.33 6.50 6.45
CUSTO TOTAL 9,25 €
Filed under: Uncategorized 1 Comment
10Jan/132

Um Trevo dá sempre sorte

Trevo-Francesinha

Sabem quando chegam ao final daqueles dias em que tudo correu mesmo mal? Como dizia na canção do Rui: "... parece que o mundo se uniu para me tramar...". Pois bem...esses dias também nos acontecem a nós...coisas do dia a dia...uma soma de pequenos pormenores...ou apenas uma batidela no carro logo naquele dia que vocês mais precisavam dele...o que é que se pode fazer? Bom...há duas reacções possíveis: uma é fechar-nos em casa a ver uma série de filmes que já vimos um montão de vezes mas que sabemos que nos deixam sempre alegres (....e já agora, a comer uma badochice qualquer daquelas que alegram qualquer ser solitário). A outra seria ligar a uns amigos e fazer um pequeno regaboff de fim de dia...daqueles com um finote....e, claro está, com a nossa mais que tudo: uma francesinha.

Não sabíamos bem onde ir...sabem que das últimas vezes não temos sabido escolher com mestria....claro que os espaços são como os melões: só sabemos se são bons depois de os abrir :) Claro que a lista é extensa...mas mesmo assim não arriscámos. Assim sendo, foi o nosso convidado a sugerir o espaço e depois de algum debate chegámos a um curioso consenso: Canelas, terras de Vila Nova de Gaia. Uma terra pequena com um tecido industrial importante e extremamente famosa pelas suas ditas cujas. Já não é a primeira nem a segunda deslocação que lá fazemos...mas a verdade é que fica sempre a faltar mais um espaço. E desta feita, fomos ao Café Trevo....será que deu sorte? Aproveitamos para agradecer já ao Ricardo a sugestão e a companhia. Um abraço amigo.

O Café Trevo não é mais que um pequeno café familiar que serve francesinhas. Estamos sempre à espera do melhor...ainda que o melhor nem sempre espere por nós. E a verdade é que ainda tivemos que esperar pela francesinha. Nada que assuste dado o futebol que nos ia entretendo o fundo da nossa animada conversa sobre mercados financeiros (?). Chegadas as ditas cujas, não podemos deixar de destacar os bifes com o ponto mais forte. Os ingredientes de elevada qualidade não destoam quando aproximados dos seus concorrentes regionais (antes pelo contrário).

As quantidades são generosas - não há cá coisas como francesinhas de dieta! As batatas eram óptimas....vimos nós a serem descacadas...ainda que não tenhamos a certeza que aquelas fossem mesmo para nós. O molho....bem, o molho nestas coisas é sempre polémico e aquele...era muito líquido. É um crime capital....é um segredo que todos guardam a sete chaves. Agressivo...insuficiente. É pena, pois esta francesinha merecia mais. Talvez um dia destes....ou talvez não. Continuamos à procura....mas a verdade é que o nosso dia pareceu bem melhor depois de lá sairmos. Digam lá se um trevo não dá sempre sorte? :)

 

Parâmetros lmatias rpinto dalves convidado TOTAL
Local 6 6 6 7 6.1
Molho 6 6 6 6 6
Batatas 8 8 7 8 7.7
Inovação 7 6 6 7 6.4
Ingredientes 8 7 7 8 7.4
Preço 6 6 6 7 6.1
PONTUAÇÃO FINAL 6.83 6.50 6.33 7.17 6.62
CUSTO TOTAL 9 €
29Dec/123

ABA Francesinhas – É nova, é grande…mas falta um pouco mais!

ABAFrancesinhas-Francesinha

Sabem quando vocês têm aquela viagem em que estão com super expectativas da cidade ser interessante, animada, cheia de gente gira? A isto chamam-se elevar as expectativas.....agora imaginem que quando chegam encontram algo completamente diferente? Mau...não necessariamente. Uma dessas experiências foi São Petersburgo, na Russia, uma cidade que vale a pena visitar. Contudo, sempre que vamos conversar ao som duma francesinha temos essas mesmas expectativas....e acontece que o ABA Francesinhas foi exactamente isso. Sabem que quando nos deparamos com uma casa nova num sítio com tradição - como é Costa Cabral - esperamos mais uma pessoa que queira ganhar dinheiro fácil à custa da fama ou do infortúnio de outros. Receitas copiadas a preto e branco ou outros preparos que tais....mas o ABA não é nada disso....

Localizado bem perto da estação de metro dos Combatentes, em plena cidade invicta, o ABA Francesinhas é um espaço novo onde podemos levar qualquer um a comer uma francesinha: desde a nossa namorada(o) até um grupo de amigos bem fanfarrão. Espaço agradável - com 2 confortáveis ecrãs plasma - e um atendimento muito prestável, a noite auspiciava muito. Na chegada, o primeiro impacto é...surpreendente. A francesinha tem um formato bem rectangular...gigantesco...diferente. Um pouco a fazer lembrar a francesinha do Paquete....será?

Os ingredientes estavam lá todos...e tinham grande qualidade! O problema foi o molho....inconsistente, demasiado aguado....a dar entender que não é confeccionado tão convenientemente quanto o deveria. As batatas também não safaram esta análise...antes pelo contrário: penso que foi das primeiras vezes que o projecto não finalizou o tabuleiro (vasto!) que nos foi disponibilizado. A repetir? Com certeza que sim....os ingredientes valem a oportunidade....até pode ser que tenhamos estado num dia mau e o molho até seja razoável....ainda que não pareça.

A algibeira gostou...9 euros é um preço normal para um francesinha na cidade invicta nos tempos que correm. O nosso convidado acabou por não concordar connosco na nossa apreciação...pela negativa. Ainda assim, gostou da experiência....e nós também. Obrigado pela companhia, Hélder. E até já :)

 

Parâmetros lmatias rpinto dalves convidado TOTAL
Local 8 7 7 6 7.20
Molho 6 5 6 7 5.80
Batatas 5 6 7 5 5.90
Inovação 7 7 6 5 6.50
Ingredientes 8 7 7 7 7.30
Preço 6 6 6 6 6.00
PONTUAÇÃO FINAL 6.67 6.33 6.50 6.00 6.45
CUSTO TOTAL 9,00 €
Filed under: Uncategorized 3 Comments
29Nov/121

Amandius a Sul

FrancesinhaAmandius

Vivemos tempos de crise. O governo farta-se de anunciar medidas de austeridade que... para o mais comum dos mortais,  não fazem qualquer sentido. É como prometer a um cavalo que caso ele chegue à meta em primeiro ele recebe uma cenoura....sem dar a garantia quando ele a vai receber. O futebol também está em crise não fosse o eclipse inexplicável dum Sporting mais irerconhecível do que em qualquer época. Nós mantemo-nos fiéis ao nosso objectivo e visitámos mais um espaço: o Amandius.

 

Em Terras de Santa Maria (da Feira), já há muito que vários milhares se lá deslocam em romaria por alturas do Verão. A Feira Medieval dá-nos uma autêntica viagem aos tempos que já lá vão....em que a Sangria e o muito tradicional "bagaço com mel" fazem a delícia de todos nós. Poucos conhecem é as virtudes da francesinha que por aqui se servem. Em particular, o Amandius ficou famoso por isso mesmo. Com um forte serviço de take away e algumas mesas quase sempre esgotadas, muitos são aqueles que residentes nas redondezas ali vão para degustar a dita cuja...mas a questão coloca-se: será que vale a pena? Para responder a esta questão, tivemos um convidado muito especial: o Miguel Martinho. Ele, como local, introduziu -nos à filosofia da casa e da terra em geral. Obrigado Miguel pela recepção.

Sobre a francesinha....a primeira questão que salta é se devemos tentar parar lá sempre que passamos pela Feira à hora de jantar. A verdade é que achamos que não vale tamanho desvio. Mas também é verdade que residimos no Porto.... logo a nossa opinião poderá ser facciosa. Vamos então explicar o porquê da nossa opinião: a francesinha do Amandius é razoável.

 

Tem um molho razoável, ingredientes razoáveis, batatas razoáveis, confecção razoável e um preço caro (não são agora todos?). Temos de esperar à porta mesmo quando se tem reserva ( o que é isso?) e o serviço é de tasco refinado....e as bebidas são comme ci, comme ça. Não gostámos do bife por aí além e o molho é demasiado aguado...enfim, uma banalidade. Contudo, acreditamos que na região não haja muito melhor...e já sabemos o poder que a francesinha tem para matar aquela fome. Fica o registo de mais uma visita fora do Porto...até para a semana :)

 

 

Parâmetros lmatias rpinto dalves convidado TOTAL
Local 6 6 6 6 6.00
Molho 5 4 5 5 4.70
Batatas 7 7 7 7 7.00
Inovação 6 6 6 6 6.00
Ingredientes 7 6 6 6 6.30
Preço 6 6 6 6 6.00
PONTUAÇÃO FINAL 6.17 5.83 6.00 6.00 6.00
CUSTO TOTAL 8,10 €

 

Filed under: Uncategorized 1 Comment
18Nov/124

As Mesas tem sempre quatro pernas!

Hoje é um dia triste mas ao mesmo tempo, feliz.

Infelizmente para nós, confrades do Projecto Francesinha há mais de dois anos, que visitamos esses restaurantes, snack-bares, cafés, "tascos" e "espaços" desse "gigante" Portugal, não mais poderemos continuar a fazer Este projecto. Não este que todos nós - os quatro - preservámos através de avaliações compeltamente despegadas - mas coerentes - de todas as ditas cujas que tivemos a felicidade de degustar ao longo deste tempo.

O Projecto tem de mudar…não porque estivesse mal…não porque queira…mas porque a vida assim o obriga. O Hugo,  nosso autor e fundador, teve de deixar o país por motivos profissionais e assim, não mais pode continuar a acompanhar-nos nestas aventuras. Por ele, estamos feliz…pelo Projecto, extramamente tristes. Estamos certos que onde quer que ele esteja, continuará a ir connosco…ainda que só em espírito. Um abraço para ti, Grande Vara ;)

Assim, dizemo-vos que a partir de agora iremos continuar a avaliar as casas com quarto elementos…os três autores do costume mais um convidado. Este convidado sera sempre uma pessoa diferente convidada por nós para fazer parte do projecto por um dia. Cada um de nós irá convidar uma pessoa por sessão, sendo a responsabilidade do convite rotativa.

Ainda que não seja a solução perfeita, não poderíamos nunca deixar de fazer chegar este Projecto até vós…ainda que agora seja mais difícil. E uma mesa tem sempre quarto pernas :D

Um abraço a todos e Obrigado pelos constantes comentários de incentivos.

Filed under: Uncategorized 4 Comments
19Oct/125

Onital – Bau de Pequenos Tesouros

onital-francesinha-small

Depois de mais de 2 meses com visitas a casas fora da cidade do Porto, voltamos as nossas origens e à nossa mui nobre invicta para mais uma etapa do projecto mais saboroso de todo este nosso Portugal. Desta feita, o PF atacou em Santos Pousada. Num restaurante/café familiar naquele formato à portuguesa que certamente todos rapidamente identificam. A vítima foi o Onital, casa cuja fama e tradição das francesinhas são elevadas.

Inicialmente, as expectativas não iam por aí além. Formato de café, com alguns bolos de confeitaria - mas sem fabrico próprio - com umas mesas e umas cadeiras de ferro que fizeram moda nos anos 90 mas não nos são capazes de manter mais de uma ou duas horas por ali. O empregado fora muito prestrável e rapidamente anotou os nossos pedidos sem que isso trouxesse qualquer factor surpresa à nossa visita: francesinha especial com bife e molho.

A conversa...era sobre férias de Verão, como o período não poderia deixar de obrigar. A francesinha demorou um pouco...ficámos nervosos...."Será que?" pensámos nós...."Nah...é só mais um café com umas francesinhas agradáveis e um molho assim assim". A verdade é que a maior parte das que visitamos são mesmo isso....e acabam por ter algum destaque por serem melhores que as restantes na sua localização, mas pouco mais banais num contexto mais absoluto. Mas desta vez estávamos enganados.... A sua chegada merecia tapete vermelho....só o cheiro transparecia que algo de especial estava imbuído nesta francesinha.

Algo não...vários algos. Afinal de contas, estava tudo lá: as batatas eram um pequeno tesouro de tão perfeitas e deliciosas que estavam. A francesinha, não tinha algo de extraordinário. Mas tudo era pelo menos bom...o que faz o conjunto extraordinário. Se são amantes de francesinhas de qualidade e não se importam de jantar num restaurante pequeno em mesas de café para comer algo que valha a pena - e esta é a nossa perspectiva - então este local é o destino da vossa próxima visita. Um bem haja a todos vocês pela força que nos têm dado para continuar.

Não esperem um serviço de jantar de luxo e grandes mordomias...esperem comer com prazer e sentirem-se plenamente satisfeitos. O preço - 8 euros - encaixa na média e perfaz uma grande relação qualidade/preço. Após contarmos os votos, verificamos que esta francesinha teve qualidade para destronar uma casa como a Gambamar e intrometer-se no quase idílico top 5.

 

Parâmetros lmatias rpinto hvara dalves TOTAL
Local 7 7 6 6 6.50
Molho 8 6 7 7 7.00
Batatas 8 8 8 8 8.00
Inovação 7 6 6 7 6.50
Ingredientes 8 7 7 8 7.50
Preço 7 7 7 7 7.00
PONTUAÇÃO FINAL 7.50 6.83 6.83 7.17 7.08
CUSTO TOTAL 8,00 €

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Filed under: Uncategorized 5 Comments
8Aug/123

Big Ben – Hora Errada

francesinha

Ora viva! Depois de uma pausa estratégica para festejar o nosso 2º Aniversário, estamos de volta ao nosso 'safari' gastronómico. Não podemos deixar de agradecer a todos os presentes que fizeram daquele dia um dia ainda mais especial para o Projecto Francesinha. Uma palavra para o local, O Paquete, obrigado pela recepção e simpatia. De facto uma casa que sabe o que faz. A vontade de conhecer o nosso Portugal profundo é algo que nos motiva. Desta feita aproveitamos e seguimos pela N14 em direcção a norte. A paragem foi feita onde surgiu uma placa a dizer - Ribeirão. Bem ali nos limites entre Trofa e Vila Nova de Famalicão. A paragem foi feita bem de frente do Big Ben. Para tal foi necessário fazer um pequeno desvio da N14, um corte á esquerda. O melhor é mesmo perguntar.

Um monumento em miniatura decora a entrada desde local. Entramos e parece que estamos dentro de um templo de admiração ao famoso relógio. Fotografias expostas cobrem todas as paredes. Subimos para o andar superior. Duas ou três mesas apresentam clientes que se dedicam com todas as forças ao exercício de saborear e aproveitar mais um final de tarde de ócio. Sem menu e de bloco de anotações em punho somos interpelados pelo empregado. Pedimos sem pestanejar Francesinha com ovo e batata frita. Passados alguns minutos e alguma conversa surgem elas. Rodeadas de batata frita em pratos fundos. Um ovo imponente no topo cobre por completo toda a Francesinha. As batatas já bem demolhadas rodeiam a Francesinha.

O molho demasiado amarelo e sem aquele picante que tanto gostamos. Em textura está lá mas falta o resto... No interior as carnes estão em quantidade, mas não em qualidade. Temos um bife pequeno e com bastante nervo. Linguiça e salsicha 'Frankfurt' também aparecem no interior. Fiambre e bacon também por lá aparecem. De facto estes ingredientes não combinam, falta ali algum 'amor' na confecção.

E a história fica por aqui. Não há muito a contar, de facto um Francesinha sem muita história. A viagem é longa e bem mais perto existem opções bem mais agradáveis.

Até breve!

Parâmetros lmatias rpinto hvara dalves TOTAL
Local 6 6 6 6 6.00
Molho 5 4 4 4 4.25
Batatas 8 7 8 6 7.25
Inovação 4 5 5 6 5.00
Ingredientes 6 5 5 4 5.00
Preço 5 6 6 6 5.75
PONTUAÇÃO FINAL 5.67 5.50 5.67 6.83 5.54
CUSTO TOTAL 7,30 €

 

Filed under: Uncategorized 3 Comments
25Jun/123

Café Atenas – Matéria bem estudada

francesinha1-150x150

Caros amantes de Francesinhas, o vosso Projecto favorito está de volta! Embalados pelas boas ondas que assolam o país do futebol partimos hoje para a cidade dos estudantes. Reunião marcada e à hora certa estamos todos reunidos. Partimos então para Coimbra, mais concretamente para o Café Atenas. Muito comentado e amplamente recomendado pelos nossos leitores mais atentos. Não poderiamos passar ao lado dessas sugestões.
Trajecto fácil, rumo a sul.

Chegados á bela cidade de Coimbra. Estudantes de capa negra vagueam pela rua e aproveitam os ultimos raios de sol. Divertem-se nas muitas esplanadas da cidade e programam a noite que se aproxima. Para nós os destino é outro. Procuramos os Café Atenas e um manjar que nos forre o estômago devidamente. A fome já aperta.

Aí está ele! Finalmente encontramos o famoso Café Atenas. Gente á porta e o interior está repleto! Tudo boas notícias. Entramos a sala está cheia, mas com alguma perícia lá se orienta uma mesa para os quatro. Malta jovem e de trato fácil preenche as mesas, deliciam-se com Francesinhas. Pedimos sem vacilar: Francesinha com batata frita e ovo. Pedimos também um 'sortido' de entradas. A fome aperta e é preciso aconchegar o estômago antes do prato principal.

Lá do fundo, de uma janelinha saem a uma velicidade estonteante pratos com paralelepípedos amarelos envolvidos em vapor. Vão voando para outras mesas enquanto nos vai crescendo água na boca. Acabou o 'sortido'. Sem contar surge na mesa uma travessa imponente de batata frita. Batata daquela que nós tanto gostamos, está a ganhar pontos. Quantidade e qualidade. Vem mais uma rodada de bebidas. Chegam elas, uma a uma como modelos de alta custura desfilam da janelinha lá do fundo até a nossa mesa.

Aspecto compacto e bom tamanho. A cor do molho impressiona. Somos seduzidos á primeira vista. Chegam à mesa e aquele cheirinho do molho não engana, aqui sabem da 'poda'...O molho picante e com boa textura. Um pouco líquido mas tem aquele sabor que nos agrada bastante. Intenso e explosivo no palato. Os condimentos estão lá todos. Acamados como manda a lei. Bife tenro e soculento poderia ser só um pouco mais alto. Salsicha e linguiça de boa qualidade. Fiambre em boa quantidade finaliza este interior de sonho. Uma sanduíche compacta e bem feita. No fundo como todas as Francesinhas deveriam ser. Todo o saber e amor foi transportado para a cidade dos estudantes.

Estamos perante uma Francesinha de topo. Claramente o Zé do Atenas sabe o que faz. Bom serviço, boa comida. Esta casa tem tudo para continuar o bom caminho que já fez! Ficamos felizes por saber que em Coimbra também se pode saborear uma boa Francesinha. Parabéns pelos 12 anos de casa e esperamos que sejam no mínimo sejam outros tantos.

A cidade Coimbra está muito bem servida com esta casa. Realmente uma surpresa bastante agradável. Certamente ensina a arte de bem cozinhar uma Francesinha a muitas casas que existem na Invicta.
Vale bem a pena a visita para quem esteja de visita á cidade de Coimbra.

Até breve e boas Francesinhas!

Parâmetros lmatias rpinto hvara dalves TOTAL
Local 7 6 7 6 6.50
Molho 7 5 5 5 5.50
Batatas 7 7 8 8 7.50
Inovação 6 6 6 6 6.00
Ingredientes 8 8 8 9 9.25
Preço 7 7 7 7 7.00
PONTUAÇÃO FINAL 7.00 6.50 6.83 6.83 6.79
CUSTO TOTAL 8,30 €
Filed under: Uncategorized 3 Comments
11Jun/126

Manjar das Francesas – Meia Torrada

francesinha-300x272

Para nós, é mais uma etapa. Mais uma casa visitada...mais uns kms percorridos. Não estamos muito a fazer contas...nem a ver qual é o melhor sítio para ir, o mais mediático. Simplesmente vamos. A francesinha é apenas o pretexto para o encontro de 4 amigos. Um detalhe importante é claro...mas nada mais do que isso. Ainda por cima, o Europeu está a decorrer....o tema de conversa é incontornável. O GPS indicou que já lá estávamos...o reclamo de fora confirmava as nossas expectativas. Chegávamos a Amorim, na Póvoa de Varzim...mais concretamente ao Manjar das Francesas.

O espaço é pitoresco: fica entre a estrada nacional da Póvoa do Varzim e Braga, na pequena vila de Amorim. Àquela hora, estava lotado...uma quinta-feira feriado. À nossa volta dançavam todo o tipo de snacks possíveis....após questionarmos o empregado, lá nos sentámos. Quando nos ofereceram o menu, ficamos bastante baralhados: há vários tipos de francesinhas e nenhum parece-se sequer com o que estamos habituados. Após alguma pesquisa e trocas de impressões, decidimo-nos pela francesinha americana...fosse lá o que isso quisesse dizer. A cerveja já marcava presença óbvia no nosso estádio....pode-se dizer até que entrou a marcar :) As expectativas para a estreia de Portugal eram grandes...e as para a francesinha eram maiores, tal a velocidade com que elas passavam por nós. Podemos dizer até demasiado rápido: menos de 5 minutos depois de fazermos o pedido, já estávamos servidos. E quando a esmola é muita....

O aspecto inicial não impressionou. Algo laranja em cima parecia cenoura e talvez pickles ralados...um molho líquido demasiado laranja e um toque de morte: ketchup e mostarda. Será que estamos no liceu? Não pedimos um cachorro...pedimos uma francesinha. E bem sabemos que a francesinha poveira é diferente das demais...daí ao ketchup vai uma grande distância. Os locais não estranham, pode dizer-se: na mesa mesmo ao lado, alguém pedia o "biberão vermelho" para rechear um pouco mais o seu prato...estranho não? Não é pois de estranhar que as carnes por dentro não tenham a qualidade que tenhamos procurado...com poucas e fracas carnes de porco e um bife de vaca envergonhado. O queijo era pouco ... já tínhamos referido o molho esquisito? Enfim...demasiados defeitos para ser verdade. Já para não referir o verdadeiro inferno que é estacionar lá: a localização numa estrada nacional não deixa muitas alternativas a quem quiser estacionar descansado....a falta de Multibanco parece vinda do estado novo...e o horário de fecho (22:00) é, no mínimo, disparatado.

Se quiserem comer uma boa francesinha, recomendo que façam uns kms até ao centro da Póvoa e procurem um dos vários espaços que lá há....este manjar não vale a paragem. Nem para comer meia torrada (sim, o menu tinha preços e fotografias diferentes para uma torrada e para Meia Torrada...vá se lá saber porquê).

Parâmetros lmatias rpinto hvara dalves TOTAL
Local 6 6 6 7 6.25
Molho 6 3 5 5 4.75
Batatas 6 5 6 6 5.75
Inovação 2 6 4 3 3.75
Ingredientes 3 4 4 4 3.75
Preço 5 5 5 5 5.00
PONTUAÇÃO FINAL 4.67 4.83 5.00 5.00 4.88
CUSTO TOTAL 9,00 €
Filed under: Uncategorized 6 Comments
25May/120

Ricardo 2 – Quando a esmola é grande…

Estamos de novo á solta. O Projecto Francesinha parte para mais um desafio. Inspirados pela famosa balada dos 'Journey' continuamos a nossa aventura. Hoje fomos ver os navios que 'estacionam' ali ao largo das praias de Leça da Palmeira. Um espaço muito falado pelos nossos leitores - Ricardo 2. Bem ali em frente aos depósitos da Petrogal.

Estacionamento fácil. Zona pacata e sem grande movimento, pelo menos a este dia da semana. Entramos e o espaço está praticamente vazio. Os funcionários estão entretidos com o que passa no pequeno ecrã. Orientamos uma mesa e montamos arraiais. Estamos prontos.

Chega o menu com um formtato diferente. As opções são imensam, mas optamos como sempre pelo normal. Francesinha com ovo e batata. Para facilitar a degustação e a confecção. Sem pedir chegam a mesa uns pratinhos. Para abrir o apetite. Rapidamente tudo se some. Ficamos a aguardar as Francesinhas...

Conversa puxa conversa. Tomamos consciência que um facto interessante... Este Projecto já caminha para os dois anos!

Chegam elas e começa o manjar. Tamanho imponente, parece quase um 'cachorro' de 'aba larga'. Com umas batatinhas de verdade em volta. Eram de qualidade mas em pouca quantidade. Souberam a pouco. Em oposto a Francesinha é enorme. Diríamos o dobro do 'normal'. Nada que nos assuste ou desanime. Avançamos sem hesitar.

No topo um queijo banal e um ovo. O bife estava muito mal passado, praticamente cru. Apesar de grande, ocupava toda a área de pão, era fino. Existiam várias rodelas de 'fiambrino' a acompanhar bem como uma salsicha fresca. Mas aquele pão era tanto que os ingredientes quase passam despercebidos... Falta ali algo que faça daqueles ingredientes uma Francesinha. Nem o molho, que normalmente tem esse poder supremo, consegue compor este ramalhete. Molho picante mas sem a textura desejada. Falta ali algum trabalho nos ingredientes escolhidos para a preparação do molho.

No fim, aquela sensação de se estar farto mas não satisfeito.

Pelo preço e pela oferta que existe bem perto não vale a visita. Fica aqui a nossa opinião de mais uma experiência. Continuem a enviar as vossas sugestões e comentários. Este Projecto vive de vocês para e para vocês.

Até breve!

Parâmetros lmatias rpinto hvara dalves TOTAL
Local 6 7 6 7 6.50
Molho 6 5 5 6 5.50
Batatas 6 7 7 7 6.75
Inovação 4 5 5 4 4.50
Ingredientes 7 6 6 6 6.25
Preço 5 5 5 5 5.00
PONTUAÇÃO FINAL 5.67 5.83 5.67 5.83 5.75
CUSTO TOTAL 9,40 €
Filed under: Uncategorized No Comments